Conheça o projeto…

O projeto “Indicadores de Cidadania e Políticas Públicas” está vinculado ao Grupo de Pesquisa Políticas e Epistemes da Cidadania (GPPEC/UNIFACS/CNPq) e tem como escopo as novas demandas e conflitos envolvendo as práticas políticas em Direitos Humanos na contemporaneidade. Esta proposta nasceu como um desdobramento das repercussões alcançadas pelo projeto “Indicadores de Cidadania e Políticas Públicas no Âmbito Penal”, que sob a direção científica da Universidade Salvador (UNIFACS) em parceria com o Ministério Público da Bahia (MP-BA), bem como do apoio prestado pela Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização do Estado da Bahia (SEAP-BA) e do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), corroborou para a formação de uma rede internacional de pesquisa especializada no tratamento de dados relativos à promoção da dignidade humana no cárcere.






“Os direitos humanos, por mais fundamentais que sejam, são direitos históricos, ou seja, nascidos em certas circunstâncias, caracterizados por lutas em defesa de novas liberdades contra velhos poderes, e nascidos de modo gradual, não todos de uma vez e nem de uma vez por todas”

Norberto Bobbio (A Era dos Direitos)






Coordenadores do projeto

Conheça os pesquisadores envolvidos na coordenação de execução deste projeto.

PhD. José Euclimar Xavier de Menezes
PhD. Cláudia Regina de Oliveira Vaz Torres
PhD. Glauco de Figueiredo Carneiro
PhD. Gustavo Nunes de Oliveira Costa

Você já ouviu falar na Declaração Universal dos Direitos Humanos?

Adotada e proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro 1948, a Declaração Universal dos Direitos humanos, também conhecida pela sigla DUDH, é um documento internacional que estabelece os direitos fundamentais de todos os seres humanos. Apesar de não ser um diploma legal com força normativa, a DUDH inspirou diversos tratados e constituições, inclusive, a Magna Carta brasileira de 1988.

Dentre os direitos garantidos pela Declaração Universal, encontram-se o direito a não ser escravizado ou submetido a tortura, o direito a liberdade de expressão, política e religiosa, o direito a livre participação política, o direito a ter uma nacionalidade e uma série de outras prerrogativas que visam, acima de tudo, assegurar a dignidade, a liberdade, a igualdade, a justiça, a solidariedade, a cooperação internacional e a paz no mundo.

Atualmente, a Declaração Universal dos Direitos Humanos é assinada por todos os países-membros da Organização das Nações Unidas (ONU) sendo, portanto, referendada por 192 países. Por ter sido um dos fundadores da ONU, o Brasil foi um dos 48 países que votaram a favor de sua aprovação e um dos primeiros a ratificar o texto em seu ordenamento jurídico.

Publicações

A SOLITÁRIA – PEÇA DE VALENTÍN CÓZAR GRANJA

Por: Redação “A Solitária” é uma peça do dramaturgo espanhol Valentín Cózar Granja. O Grupo de Pesquisa Política e Epistemes da Cidadania (GPPEC) fez a declamação do segundo capítulo da obra no Seminário Integrado – Sentidos de Investigação sobre a Cultura da Violência. Confira o vídeo da…

PROJETO INTERNACIONAL DA UNIFACS LANÇA PORTAL NESTA QUARTA-FEIRA (21)

A ferramenta faz parte do projeto “Indicadores da Valorização da Cidadania e das Políticas Públicas no Âmbito Prisional”, para dar maior visibilidade à produção de conhecimento científico Por Marco Dias O projeto internacional “Indicadores da Valorização da Cidadania e das Políticas Públicas no Âmbito Prisional”, da Universidade…

Projeto de Extensão no HCT

As oficinas realizadas no Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico de Salvador, localizado na Baixa do Fiscal, aconteceram no ano de 2019 e foram resultados do projeto de intervenção de alunos do curso de Serviço Social como prática de disciplina que integra saúde e comunidade tendo como objetivo   promover o conhecimento de diferentes áreas de atenção em saúde, bem-estar e o aprendizado em grupos interprofissionais, contribuindo para a formação integral do estudante, compreendendo que o Serviço Social atua na perspectiva dos Direitos Humanos e na garantia dos direitos sociais fomentando a autonomia do sujeito e sua cidadania.

Projeto CienciArt

Arte e ciência são poderosos meios na promoção dos objetivos aqui postos. A Universidade e a Administração Pública, associados, podem ensejar a execução de projetos sistemáticos e contínuos na perseguição da materialidade desses objetivos. Neste diapasão, uma série de reuniões foi realizada para que os artistas aderentes à proposta fossem produzindo elementos para composição dos seus trabalhos. A sincronia desses ambientes científico-público-cultural é pensada como mecanismo de indução para propiciar o trânsito de estudantes, professores e pesquisadores nesses espaços de conhecimento e memória realizando ações formativas e de disseminação científica e cultural.

Registre-se agora!

Quer receber todas as informações e conteúdos publicados em nosso site em tempo real e de forma gratuita? Cadastre seu e-mail no nosso newsletter e fique por dentro de tudo! É rápido, fácil e grátis.